Invisível

Sol rachando no meu rosto, e Racionais estourando nos meus ouvidos. Aumento o volume para tentar ouvir menos o barulho da hipocrisia: um som que mistura gritos histéricos de patricinhas nos seus Iphones com a conversa de dois homens – terno de linho, perfume importado, relógio de ouro – sobre a situação econômica do país.

“Precisei vender duas, das minhas cinco fazendas no interior de São Paulo. E tive que cortar alguns gastos pessoais. Jatinho?! Agora, só nos fins de semana”.

Ainda bem que, nesses últimos anos, aprendi bem o que é auto-controle. Meus cinco anos praticando meditação serviram-me para muita coisa, porque minhas vontades neste momento eram:

– encurralar um daqueles velhos com o caco de vidro e mandar que me passassem a porra da chave do conversível estacionado logo à frente;

– ou surtar aqui mesmo, gritar, mandar tomar no cu, socar a parede de concreto até meus ossos encontrarem com o cimento.

Leia mais »

Anúncios

A humanidade é desumana, mas ainda temos chance?

Nos últimos dias, as pessoas têm usado incessantemente as redes sociais para se posicionarem à respeito do falecimento da ex-primeira-dama do Brasil, que teve a morte confirmada pelo Hospital Sírio Libanês, na sexta-feira (3). A então esposa de Lula sofreu um AVC causado por um aneurisma.

Ora se solidarizando com o ex presidente, ora reafirmando seu posicionamento político contrário ao do último governante do Brasil, mas destacando respeito à família de Lula, as condolências vinham de todas as partes.

Mas dentre essas manifestações de solidariedade, surgiram também comentários destilados de puro ódio, que exultavam o sofrimento do ex presidente diante da morte da esposa que o acompanhou por 43 anos, entre namoro e casamento.

Leia mais »